Comunidades

Bueiro exala mau cheiro de esgoto e afasta clientes de estabelecimento em Ibiraçu

Postando em:

Em tempos de crise econômica, já não é fácil atrair clientes para um estabelecimento comercial. Imagine se o local tiver esgoto passando na porta e exalando um mau cheiro insuportável.

Leia também: Prefeitura de Aracruz esclarece sobre o evento de Barra do Sahy

Esta vem sendo a realidade enfrentada pelo comerciante Welington de Oliveira, proprietário de uma mercearia, no bairro São Cristóvão, em Ibiraçu, norte do Estado. O estabelecimento fica na esquina da rua Padre José Bonifácio Parenzi com a Maria da Penha Moraes Depizol.

Ao receber a reportagem do Site Aracruz, o comerciante relatou que a rede que passa em frente ao seu comércio, onde existe um grande bueiro, deveria ser apenas para escoamento de águas de chuva, porém o esgoto de muitas de residências da rua Maria da Penha Depizol é jogado na rede pluvial causando grande transtorno a ele e aos moradores vizinhos.

“Quem mora aqui precisa deixar as portas e janelas fechadas a maior parte do dia. Preferem o calor dentro de suas casas ao fedor de esgoto que sai desse e outros bueiros próximos. Eu mesmo tive que providenciar borrachas para cobrir o bueiro e tentar amenizar o problema, mas meus clientes sempre reclamam e já não sei o que fazer. A resolução desse problema foi promessa de campanha do prefeito (Duda Zanotti). Já conversei com ele várias vezes, mas só fica na promessa.

Solidário ao problema do comerciante, o vereador José Geraldo Rossi, também conhecido com Zé Pintor, tem se esforçado na tentativa de resolver o problema e já apresentou requerimento na câmara municipal, porém o pedido de providência ainda não foi atendido pelo prefeito.

“Lamento que um problema como esse não receba a devida atenção do executivo. O comércio é a fonte de renda dessa família e algo precisa ser feito para que o Welington tenha a tranqüilidade de oferecer um ambiente agradável para os clientes dele”, cobrou o vereador. 

Perguntado sobre o que deve ser feito para resolver o problema, o comerciante respondeu que para ele, o importante é fechar o bueiro. “Não importa como vão fechar, mas não posso continuar nessa situação”, finalizou.

 

Prefeitura:

Procurada por nossa reportagem, a assessoria de comunicação da prefeitura de Ibiraçu não se pronunciou sobre o grave problema vivido pelo comerciante.