Cultura

Vila de Santa Cruz terá cinema ao ar livre neste fim de semana

Postando em:

O 24º Festival de Cinema de Vitória Itinerante está percorrendo as principais praias do ES. Na foto, exibição em Pontal do Ipiranga

Um programa diferente promete agradar aracruzenses e turistas que estiverem no distrito de Santa Cruz (Aracruz) neste fim de semana. Todos poderão prestigiar o 24º Festival de Cinema de Vitória Itinerante, que estará no balneário nesta sexta (12) e sábado (13). Serão exibidos seis curtas e um longa-metragem sempre a partir das 19h, na rua Piraqueaçu. Os curtas serão exibidos na sexta-feira, enquanto o longa “Como Nossos Pais”, de Laíz Bodansk poderá ser assistido no sábado. O filme narra a história de Rosa, uma mulher que quer ser perfeita em todas as suas obrigações: como profissional, mãe, filha, esposa e amante. Quanto mais tenta acertar, mais tem a sensação de estar errando.

O festival é uma realização da Galpão Produções e do Instituto Brasil de Cultura e Arte (IBCA), que conta com o patrocínio do Ministério da Cultura e tem a Prefeitura de Aracruz entre os apoiadores.

SERVIÇO:

Festival de Cinema de Vitória Itinerante

Quando: 12 e 13 de janeiro, a partir das 19h
Onde: Rua Piraqueaçu (próximo ao Restaurante Mocambo)

SEXTA-FEIRA, 12
Filmes: “O Projeto do Meu Pai”, de Rosaria; “Luiz”, de Alexandre Estevanato; “Braços Abertos”, de Monique Lima; “Victor”, de Darcy Alcantatra, Felipe Gaze e Wolmyr Alcantara; “A Piscina de Caíque”, de Gustavo da Silva; “Hora do Lanchêêê”, de Claudia Mattos. Classificação: livre

SÁBADO, 13
Filme: “Como Nossos Pais”, de Laís Bodanzky (Ficção, 102 minutos, 2017, SP / Classificação: 14 anos) Sinopse: Rosa é uma mulher que quer ser perfeita em todas as suas obrigações: como profissional, mãe, filha, esposa e amante. Quanto mais tenta acertar, mais tem a sensação de estar errando. Filha de intelectuais dos anos 70 e mãe de duas meninas pré-adolescentes, ela se vê pressionada pelas duas gerações que exigem que ela seja engajada, moderna e onipresente, uma super mulher sem falhas nem vontades próprias. Rosa vê-se submergindo em culpa e fracassos, até que, em um almoço de domingo, recebe uma notícia bombástica de sua mãe. A partir desse episódio, Rosa inicia uma redescoberta de si mesma.

Fonte: Prefeitura de Aracruz